Artes

Artes

A História da Arte é o estudo da cronologia, ou seja, da sequência temporal sobre todas as manifestações da criatividade humana: pintura, escultura, arquitetura, etc., através da qual o ser humano expressa suas ideias, emoções e forma de ver o mundo.

Os historiadores e estudiosos da arte classificam os períodos, estilos ou movimentos artísticos separadamente, para facilitar o entendimento das produções artísticas. Essa classificação está relacionada com a cultura, sociedade e características de cada época e através delas podemos compreender melhor a evolução da humanidade, por isso vale a pena conhecê-las...

Começamos pela arte Pré-histórica, em que se enquadram todas as manifestações artísticas existentes antes do surgimento das primeiras civilizações e, portanto antes da escrita. Povos diferentes, em locais diferentes produziam arte também diferente, mas com algumas características comuns, como por exemplo, o fato de ser sempre representado a figuras que envolvem situações do cotidiano, como a caça. Essas representações não representavam necessariamente a realidade, mas possuía um caráter mágico, como uma preparação para essa tarefa.

Nesta fase três períodos específicos são marcantes: o Paleolítico, caracterizado pelos primeiros vestígios de ferramentas em pedra, madeira ou osso; o Neolítico, que marca uma grande modificação na vida do homem, pois começa a praticar a agricultura  e outras formas de interação social, assim nas artes destaca-se os desenhos rupestres que representam cenas da vida e da interação do grupo; finalmente a Idade dos Metais durante a qual as sociedades dão início à produção, transformação e o trabalho de elementos como o cobre, bronze e ferro.

Para conhecer mais sobre a arte na Pré-história, clique aqui.

Grandes civilizações começam a se formar, e, portanto nova forma de vida, cultura e manifestações artísticas, constituindo o período das Artes Antigas: a primeira delas é a Arte da Mesopotâmia, caracterizada pela riqueza nas construções e a rigidez nas formas, pois não apresentavam expressão e não davam a ideia de movimento. A  Arte Egípcia, com características bem distintas é o onde surgem as primeiras formas de escrita e a marca principal é a construção das grandes pirâmides. Na sequência surge a Arte Grega, caracterizada pela grandeza de seus templos, enriquecidos por esculturas que representavam bem a cultura grega. Fechando esse período vem a Arte Romana, marcada pelo uso dos arcos nas construções e mosaicos que usavam pedras no lugar de pinturas.

No período da Arte Medieval e influência da igreja destaca-se a Arte Gótica, marcada pela construção das grandes catedrais.

Na Arte Moderna, cujos estilos marcantes foram a Arte Renascentista, com artistas reconhecidos como Michelangelo é também é o período em que se dá o início da pintura a óleo e a Arte Barroca, originária da Itália, tem o predomínio da emoção, com temas religiosos, mitológicos e de retratos.

Com a chegada da Arte contemporânea, estilos muito diferentes começa, a surgir:

O Impressionismo, movimento artístico surgiu na França no século XIX, quebrando o conceito de pintura da época, trazendo um novo olhar à pintura europeia.

O Expressionismo, trata-se de uma pintura dramática, subjetiva, que tenta expressar sentimentos humanos.

O Surrealismo, cujo princípio é não ficar preso às formas, ao cotidiano e a mesmice do modo mundo.

E o Cubismo, que chegou para romper com os padrões estéticos que primavam pela perfeição das formas na busca da imagem realista da natureza.

E a Arte Brasileira???

No Brasil as manifestações artísticas foram sempre muito ricas e diversificadas, desde a Arte Indígena, que trás com ela também a história de nossas origens até o Modernismo, que teve origem na Semana de Arte Moderna, reconhecida como um dos períodos mais ricos da nossa cultura artística.

 Curiosidade

 

Quem criou a Bienal Internacional de São Paulo foi o empresário Francisco Matarazzo Sobrinho, em 1951, logo após a inauguração do Museu de Arte Moderna (MAM). A mostra foi a primeira exposição de grande porte realizada fora do eixo cultural EUA-Europa.


Dicas de sala de aula