Cientistas e Inventores

Cientistas e Inventores

Existem pessoas que dedicam grande parte de suas vidas em busca de meios para melhorar a qualidade de vida e a saúde de outras pessoas, de novas formas de administrar recursos, de cuidar do meio ambiente, enfim vivem em busca de melhorar o mundo de várias formas. Esses são os cientistas, ou seja, pessoas que estão estudam e se especializam em áreas específicas escolhidas entre as diversas ciências que existem.

Todo cientista tem como “roteiro” de trabalho o método científico, que representa uma forma sistematizada de desenvolver sua pesquisa e propor suas descobertas.

Tudo começa com a observação dos fatos e a formulação de uma pergunta ou levantamento de um problema para o qual se procura uma resposta. Ao tentar resolver esse problema, o cientista propõe uma hipótese. Para saber se sua hipótese é verdadeira, o cientista usa experimentos controlados. Em um experimento controlado, todos os fatores envolvidos devem ser mantidos inalterados, com exceção de um deles, o que se quer avaliar. Desses experimentos, o cientista obtém dados que, analisados, confirmam ou não a hipótese inicial e elabora suas conclusões. Somente quando confirmadas por meio de experiências controladas é que as hipóteses passam a ser consideradas como teorias, que também é testada por vários outros cientistas da mesma área para ser validada. Em caso de não haver confirmação, é necessário levantar novas hipóteses e testá-las até que o problema seja solucionado.

Como você pode perceber um cientista tem que estudar muito, ser perseverante e ter paciência até conseguir atingir os objetivos e pode levar vários anos em uma mesma pesquisa.

Existem cientistas que se destacam nas diversas vertentes da ciência e para esses cientistas existe um prêmio especial: o Prêmio Nobel.

O prêmio Nobel foi idealizado pelo inventor e filantropo Alfred Nobel. Nascido em 1833, em Estocolmo, Suécia. Ele tornou-se milionário em função das diversas descobertas que realizou e quando faleceu em 1896, grande parte de sua fortuna foi destinada à criação de uma fundação que deveria financiar, anualmente, cinco grandes prêmios internacionais. Dentre esses prêmios, quatro deveriam destinar-se àqueles que se destacassem em suas descobertas em Física, Química, Medicina e Literatura. Seu testamento especificava também um prêmio para quem mais se empenhasse em prol da paz e da amizade entre as nações. Em 1969, foi acrescentado mais um prêmio, para as Ciências Econômicas.

Conheça a história completa do prêmio Nobel através do site

Muitas vezes, em nosso cotidiano, quando pesquisamos ou buscamos uma forma mais racional e crítica de conhecer as coisas que nos rodeiam também agimos como cientistas. Para isso é preciso deixar de pensar ao modo do senso comum (aquilo baseado somente no conhecimento popular, sem buscar fontes lógicas de informação) e desenvolver o senso crítico e buscar respostas que tenham lógica e coerência.

Algumas pessoas, mesmo sem se especializarem em uma área específica, tem grande criatividade e colocam em prática ideias inovadoras. Estes são os inventores, que também já trouxeram e trazem muitos benefícios às sociedades. 

Pesquise mais sobre os inventores e invenções em nosso especial Invenções

PARA UMA LISTA COM AS INVENÇÕES MAIS IMPORTANTES DA HISTÓRIA CLIQUE AQUI!

Curiosidade

Desde os sumérios, em 5000 a.C., os homens procuram formas de resolver o problema de odor do corpo. Os antigos egípcios, por exemplo, recomendavam um banho aromatizado, seguido pela aplicação de óleos perfumados nas axilas. Também descobriram que a eliminação dos pelos das axilas diminuíam o odor. Séculos mais tarde, os cientistas conseguiram compreender o motivo: os pelos aumentam a superfície em que as bactérias vivem, se reproduzem, morrem e se decompõem. Tanto os gregos quanto os romanos elaboraram seus desodorantes perfumados a partir de fórmulas egípcias.

O primeiro desodorante antitranspiração, como conhecemos hoje em dia, foi criado nos Estados Unidos em 1888. Seu nome era Mum.
(fonte: Guia dos Curiosos)


Dicas de sala de aula