Descobrimento do Brasil

Descobrimento do BrasilQuem descobriu o Brasil?

Foi Pedro Álvares Cabral no dia 22 de
abril de 1500!
A expedição organizada pelos portugueses
a pedido do Rei Dom Manuel tinha como objetivo repetir o feito de Vasco da Gama
e chegar às Índias. Estavam em busca de metais preciosos, como o ouro e a prata, e especiarias!

Não se sabe ao certo por que Cabral
desviou tanto a oeste da sua rota original, sabemos apenas que não fosse isto os portugueses não teriam descoberto as
terras no depois chamado novo mundo.

No dia 22 ouvi-se um grito "terra vista"! Avistaram um monte, que recebeu o nome de Monte Pascoal. O nome dado a terra descoberta foi Terra de Santa Cruz, atualmente cidade de Porte Seguro na Bahia. O nome definitivo, Brasil, só veio alguns anos depois, devido a quantidade de pau-brasil encontrado no litoral!

A carta escrita por Pero Vaz Caminha e enviada para o rei em Portugal descreve com detalhes a viagem, a terra descoberta e os nativos. Este é um importante documento histórico para o Brasil e para o mundo!

O primeiro contato com a população local foi feito no dia 23 de abril. Os índios Tupiniquins, de origem tupi-guarani, habitavam o litoral do sul da Bahia. Apesar do choque entre as diferentes culturas, trocaram objetos e cortesias pacificamente.

Frei Dom Henrique celebrou a primeira missa no dia 26 de abril. E acreditem, era domingo de páscoa! Compareceram não só os comandantes e suas tripulações, mas também muitos nativos curiosos atraídos pelo ritual.

Dias depois Cabral seguiu viagem até alcançar Calicute, mas deixaram por lá 2 degradados - condenados por crimes em Portugal - que meses depois foram resgatados e deram contribuições importantes aos portugueses. 

Era dos descobrimentos marítimos

Portugal foi, sem dúvida, uma nação que enfrentou diversos desafios para conquistar outras terras e ser o pioneiro das navegações. O primeiro desafio foi vencer o temor que se criara no imaginário das pessoas da época, a respeito de criaturas marinhas gigantes que devoravam os navios. Quem viu uma dessas criaturas? Ninguém sabia dizer, mas como todo mito, principalmente na época ocupava um grande espaço na cabeça das pessoas. Mesmo assim, pioneiros portugueses decidiram explorar o mar nunca antes navegado com o objetivo principal de expandir o território e explorar riquezas em outras terras.
As naus e as caravelas portuguesas representavam o que havia de mais avançado na arte de navegar. Suas caravelas levam a bordo instrumentos, cartas de navegação e conhecimentos desenvolvidos pelos mais importantes sábios da época, incluindo matemáticos, astrônomos, cartógrafos, geógrafos, especialistas na construção de navios e uso de artilharia, vindos de diversos países.
As caravelas eram navios velozes e pequenos. Uma típica caravela portuguesa tinha de 20 a 30 metros de comprimento, de 6 a 8 de largura, 50 toneladas de capacidade e era tripulada por quarenta ou cinquenta homens. Com elas era possível navegar pela costa, entrar em rios e estuários, manobrar em águas baixas, contornar arrecifes e bancos de areia. Já as naus eram barcos maiores e mais lentos.
Na viagem de ida, transportam produtos para a troca, provisões, guarnições militares, armas e canhões. Na volta, trazem mercadorias importantes para a época, como especiarias, por exemplo.
Instrumentos náuticos
Viajar para o desconhecido não é tarefa fácil, mas os portugueses tinham na época o que havia de mais avançado em termos de equipamentos: a bússola, também chamada de "agulha de marear", era fundamental para a navegação. Nessa época, consistia apenas numa agulha magnetizada que flutuava sobre a água, tendo uma das suas pontas viradas para Norte. Essa indicação do Norte permitia que os navegadores se orientassem em alto mar e não se perdessem em lugares longínquos.
Para descobrir a distância que ia do ponto de partida até ao lugar onde a embarcação se encontrava usava-se dois tipos de instrumento: o quadrante, cujo cálculo se baseava na altura da Estrela Polar e o astrolábio que tinha como base a altura do sol ao meio-dia. Como não existiam relógios, mediam o tempo com ampulhetas, mas com resultados imprecisos. O astrolábio tinha vantagens em relação ao quadrante, não só porque era mais fácil trabalhar à luz do dia, como pelo fato de a Estrela Polar não ser visível no hemisfério sul.
Outro instrumento importante era a balestilha, usado pelos navegadores para medir a altura dos astros. Era constituída por uma régua de madeira, chamada virote.
Homens corajosos
Vasco da Gama é um dos principais protagonistas da historia. Deixou Lisboa em 8 de julho de 1497, dobrou o Cabo da Boa Esperança em 18 de novembro, mas só atingiu a Índia em maio do ano seguinte. A viagem de volta teve início em 5 de outubro. Dos 155 homens que partiram,só 55 chegaram em Lisboa. Por seu feito, foi recebido com honras pelo rei e recebeu o título de "Almirante dos Mares da Arábia, Pérsia, Índia e de todo o Oriente".
Pedro Álvares Cabral foi o navegador português que no dia 22 de abril de 1500, capitão-mor de uma frota de 13 embarcações, descobriu o Brasil. Descendente de família nobre, estudou em Lisboa onde aprendeu literatura, história, cosmografia, artes militares e técnicas náuticas. Em 1499 foi nomeado pelo rei D. Manuel o capitão-mor da armada que seguiria para às Índias, seguindo a rota recém inaugurada por Vasco da Gama, contornando a África, com a missão diplomática e comercial. Para evitar as calmarias a rota foi desviada e a expedição tomou o rumo sudoeste, para bem longe da costa africana, por isso chegou até as terras mais longínquas para descobrir o Brasil.
Curiosidades
Cabral teve uma excelente recompensa pelo seu trabalho: recebeu 10 mil cruzados pela viagem. Cada cruzado valia 3,5 gramas de ouro. Ele poderia ainda comprar 30 toneladas de pimenta, com seus próprios recursos, e transportá-las gratuitamente no navio.
(fonte: Guia dos Curiosos)


Dicas de sala de aula