Tiradentes

TiradentesExistem pessoas que se incomodam com determinadas situações políticas
e, apesar de correrem riscos, vão
atrás do que acreditam. Foi o que aconteceu com
Tiradentes, cujo
nome de nascimento é
Joaquim
José da Silva Xavier
.

Tiradentes recebeu esse nome
porque um de seus ofícios era o de dentista, mas também foi militar e comerciante.Viveu em uma época
em que, mesmo após a
independência do Brasil, nosso país
continuou sendo uma monarquia e com muitos problemas sociais.

Especificamente em Minas Gerais, os problemas tornaram-se mais sérios, pois, em meados século XVIII o estadoentrou em fase de decadência econômica, as jazidas de ouro estavam se esgotando e os mineiros foram ficando cada vez mais pobres.Mesmo com este quadro o governo português continuou exigindo impostos dos mineiros, que tinham que pagar,semestralmente, cem arrobas de prata, destinadas à Real Fazenda, imposto este chamado de “quinto”.Tudo piorou com a decretação da derrama, medida administrativa que permitia a cobrança forçada de impostos, mesmo que fosse preciso prender os devedores.

Inconformado com a situação, um grupo formado pelas pessoas mais influentes do estado,passa a organizar reuniões conspiratórias. O grupo era diversificado: haviam homens impulsionados pela ideologia, ativistas revolucionários, e, em maior número, mineradores e magnatas endividados. Não havia, então, uma motivação social nem preocupação com a população oprimida, mas, sim,com a defesa de interesses políticos e pessoais.

Os principais planos do grupo de revolucionários, chamados de inconfidentes, era libertar o Brasil de Portugal, desenvolver indústrias no país e criar uma Universidade em Vila Rica. Mas o grupo não tinha organização suficiente para levar a revolta até o fim e acabou sendo perseguido e preso.

Os Inconfidentes

Os principais personagens do movimento foram: 

José da Silva Xavier (Tiradentes) (1746-1792)

 O principal personagem da inconfidência miniera, foi influenciado por José Alves Maciel, que regressara da Europa e trazia ideias de república e libertação, passando aí a fazer parte do grupo. Foi preso em maio de 1789 no Rio de Janeiro, quando buscava apoio da província vizinha. No dia 18 de abril de 1792 era proferida a sentença aos 29 presos, sendo 11 condenados à forca e os restantes ao exilio, mas 48 horas depois, no dia 20 de abril, era proferida nova sentença condenando apenas Tiradentes à forca e os demais ao exilio na África. No dia 21 de abril de 1792, Tiradentes foi enforcado no Campo de S. Domingos, no Rio de Janeiro. Seu corpo foi esquartejado e os despojos expostos em locais onde exercera seu papel de conspirador.

Cláudio Manuel da Costa: (1729-1789)

Cursou Direito na universidade portuguesa de Coimbra e quando chegou ao Brasil abriu um escritório de advocacia em Vila Rica. Era juiz das Demarcações de Sesmarias do Termo de Vila Rica quando começou a Inconfidência Mineira. Ao ser preso com os conspiradores, enforcou-se dois dias depois na cela.

Inácio de Alvarenga Peixoto: (1732-1793)

Doutorou-se pela Universidade de Coimbra, em 1759. Envolveu-se na Inconfidência Mineira e foi preso em maio de 1789, em S.João D'el Rei, sendo enviado para Vila Rica e daí para a Corte. Durante o interrogatório denunciou os companheiros. Condenado inicialmente à morte, teve a pena comutada para exílio em Angola, onde morreu em 1793.

Tomás Antônio Gonzaga: (1744-1812)

Ingressou na Universidade de Coimbra em 1763 e formou-se em Direito. Voltou ao país em 1782 e trouxe uma biblioteca com 90 livros. Foi preso em maio de 1789 e condenado ao exilio na África. Deixou as obras literárias Marília de Dirceu, versos, e Cartas Chilenas, crítica mordaz ao governo de Minas Gerais.

Joaquim Silvério dos Reis

Primeiro a delatar a conspiração, em troca de perdão de uma dívida de 220 mil réis. Foi para Portugal em 1794 depois de sofrer dois atentados em Minas e Rio.

Curiosidade

Na década de 1870, os clubes republicanos tentaram resgatar a memória de Tiradentes, mas só depois de vinte anos, em 1890, foi assinado Decreto que considerou o dia 21 de abril, feriado nacional.

 


Dicas de sala de aula