Astrologia

AstrologiaA astrologia tem como objetivo decifrar a influência dos astros na vida das pessoas e nas ocorrências da natureza, além de tentar prever o futuro. É uma prática sem reconhecimento científico, uma vez que ainda não foi comprovada, através de método científico, a eficácia desse estudo, mas sua origem é muito antiga: estima-se que desde tempos remotos, em que a vida do homem teve estreita relação com os ciclos da natureza, a astrologia já era estudada e praticada, na maioria das vezes de forma mística.

A necessidade de compreender os ciclos da natureza está principalmente relacionada ao desenvolvimento da agricultura, pela necessidade de saber o que plantar e em que época. A partir daí os estudiosos descrevem quatro fases de estudo da astrologia:

Período Mesopotâmico: surgem os primeiros astrólogos por volta de 4.000 AC com o desenvolvimento das civilizações mesopotâmicas e egípcias no Médio Oriente. Começam nesta altura a desenvolver-se os métodos de observação e cálculo astronômico; paralelamente, desenvolvem-se também algumas das bases fundamentais da Astrologia, nomeadamente, o conceito de Zodíaco, as características planetárias e a atribuição das regências. Nesta fase a astrologia é utilizada para o estudo e previsão de fatos coletivos. Os horóscopos individuais raramente são utilizados; geralmente são feitos apenas para os reis ou para algumas das personalidades e figuras mais importantes para a nação.

Período Grego: tem início no ano 700 AC com a expansão das rotas de comércio e o aumento do contato entre os povos favorece a difusão dos conceitos de astrologia e a  civilização grega dá impulso ao desenvolvimento da Astrologia. Nesta fase  surgem as teorias geométricas e as grandes bases filosóficas que sustentam a Astrologia moderna. Grandes pensadores gregos, como Platão e Aristóteles vão desenvolver a Astronomia e a Astrologia com a criação de modelos físicos e metafísicos do Universo. É na civilização grega que a Astrologia torna-se um estudo organizado.

Novo Milênio: nos primeiros séculos da Era Cristã surgem uma série de pensadores e de astrólogos. Neste período são produzidos muitos tratados e manuais sobre o tema e entre eles destaca-se a obra “Tetrabiblos” de Claudius Ptolomeu que reúne grande parte do conhecimento astrológico da época, mas, com o crescimento do Cristianismo e queda do Império Romano surge duma forte corrente contrária a Astrologia, que passa a ser pouco tolerada.

Período Árabe e Medieval: a partir de 632 DC os Árabes tornam-se uma das grandes potências do mundo ocupando todo Médio Oriente Norte de África e Europa. Os Árabes vão reunir todo o conhecimento grego, sumério, babilônico e persa, entre outros. Surgem também  grandes pensadores cujas obras de Astrologia vão influenciar e modelar o pensamento ocidental. Muitas obras árabes e gregas vão ser traduzidas, e muito do conhecimento perdido é recuperado. Os astrólogos conquistam um papel importante na sociedade, atuando como conselheiros junto dos reis e nobres.

Neste caminho histórico, a astrologia passa por uma fase de declínio a partir da Idade Média , com a presença da inquisição e a proibição de qualquer estudo dessa natureza, mas, na segunda metade do séc. XIX , novamente os estudos da astrologia tomam força por conta da popularidade do esoterismo e da espiritualidade no Ocidente. Muitos conceitos e ramos de conhecimento esotérico começam a ser estudados e recuperados e entre eles está a Astrologia, que atualmente encontra adeptos em todas as partes do mundo.

Astrologia e o horóscopo

O horóscopo é a principal ferramenta da astrologia e é através dele que os estudiosos traçam as características das pessoas e também tentam prever o potencial de ocorrência de eventos em suas vidas.

Os signos como conhecemos hoje tiveram origem nas civilizações antigas, pela observação das estrelas, com o objetivo de contar a passagem do tempo. Cada um deles é identificado por uma constelação estrelar e estas lembram o símbolo característico de cada signo. De acordo com a cultura ocidental, existem 12 signos solares, um para cada mês do ano, com nomes derivados de lendas e deuses mitológicos.

Para cada signo, um símbolo…

Para conhecer as características das crianças de cada signo, basta clicar em cada um deles.

Áries – seu símbolo lembra os chifres de um carneiro e refere-se à parte do corpo regida por este signo: a cabeça. Representa também um fluxo de energia, que dá ideia de expansão e conquista pioneira, fatores característicos das pessoas desse signo.

Touro – lembra a cara e os chifres de um Touro e de modo geral tem relação com a tendência dos nativos deste signo de acumular bens e levar uma vida de prazeres.

Gêmeos – está associado à idéia do ser duplo e complementar características das pessoas deste signo. É a representação do lado mental e o lado físico, o pensamento e a linguagem, que diferenciam o ser humano dos demais animais.

Câncer – parecem formar duas entradas que lembram as funções nutritivas: fechando-se a entrada, abre-se a saída e vice-versa. É pelas entradas que chega o alimento e vêm às informações exteriores, o que representa a receptividade de Câncer.

Leão – mostra uma força concentrada, que explode, mas não se dispersa, característica chave das pessoas desse signo, que concentra esforços para a realização de seus objetivos.

Virgem – retrata um movimento em onda que, ao final, se volta sobre si mesmo e tem analogia com seu temperamento reservado, voltado para a disciplina e o controle das situações.

Libra – este símbolo enfatiza a função libriana de buscar o equilíbrio, a justa medida entre situações contrárias.

Escorpião – sugere um movimento rítmico, que termina em ataque ou perfuração com uma seta e refere-se ao poder que as pessoas desse signo têm de saber o que se passa dentro das pessoas.

Sagitário – representa o espírito aventureiro do sagitariano, sempre em busca de ideais longínquos e de muito movimento e ação.

Capricórnio – tem relação com a característica desse signo de estar constantemente buscando o equilíbrio interno em suas ações.

Aquário – tem relação com a característica aquariana de raciocinar logicamente e, ao mesmo tempo, intuir sobre as coisas.

Peixes – representa a típica indefinição do signo de Peixes e a dificuldade que seus nativos têm para tomar uma única direção.

 

Curiosidades

Um dos primeiros estudiosos do zodíaco foi Ramsés II (1304-1235 a.C.). Ele teria sido o responsável pela determinação dos signos cardinais (Áries, Libra, Câncer e Capricórnio). O surgimento da constelação de Áries coincidia com a separação das ovelhas dos carneiros nesse período. Câncer surgia quando a luz solar era mais forte, simbolizando o renascimento do Sol. Sob a influência de Libra, a colheita era pesada e vendida. Capricórnio nascia quando as águas do Nilo começavam a subir e as cabras se transformavam em cabras marítimas, ou cabra-peixe, símbolo do signo.

Compartilhar: