História da Dança

História da Dança
Dançar
é mexer o corpo seguindo o ritmo de uma música. É divertido e relaxante, não é mesmo?

Na verdade a dança não acontece somente através de uma música, pode acontecer até mesmo sem ouvir qualquer som, apenas com movimentos ritmados, que também é muito divertido.

Para traçar a história da dança é necessário retomar ao homem primitivo, quando começaram a perceber que batendo os pés no chão conseguiam formar sons e ritmos e aos poucos foram dando mais intensidade a estes sons, descobrindo que podiam fazer outros ritmos e combinar os passos com as mãos, através das palmas. Esses primeiros movimentos passaram a ter sentido místico e aconteciam em rituais religiosos para fazer agradecimentos ou pedidos aos deuses. Esses são os primeiros indícios da dança primitiva.

Apesar de acontecer alguns milênios depois e de ser bem diferentes em muitos aspectos, as danças indígenas também são consideradas danças primitivas. Para o índio, a dança faz parte de seu cotidiano e é um meio de festejar atos, fatos e feitos relativos à vida e aos  costumes. Dançam enquanto preparam a guerra; quando voltam dela; para celebrar um cacique, safras, o amadurecimento de frutas, uma boa pescaria; para assinalar a puberdade de adolescentes ou homenagear os mortos em rituais fúnebres; espantar doenças, epidemias e outros flagelos.

Seguindo adiante na história, chegamos às danças milenares , praticadas pelas civilizações antigas. No antigo Egito, por exemplo, a dança tinha características sagradas e só se dançava para os deuses, em casamentos e funerais; na Grécia acreditava-se no poder mágico da dança, foi muito difundida no teatro grego e cada deus grego tinha uma dança diferente para ser homenageado; na civilização romana e durante toda a Idade Média a dança deixou de ser valorizada, voltando a ter destaque somente no Renascimento, período em que as danças aconteciam em salões.

 

Nessa época surge o ballet ou balé, que originalmente significa “baile ou dança”, assim, eram apenas danças de salão, mas ganhou tanta importância que chegou aos palcos e causou grandes modificações na cultura da época.

Na sequência, a dança moderna vem para quebrar a formalidade do balé clássico, e, apesar de manter sua estrutura básica, os movimentos corporais são muito mais explorados.

A dança contemporânea chega na década de 60 para romper ainda mais com os padrões clássicos. O bailarino tem a possibilidade de colocar seus sentimentos e emoções nas apresentações. O corpo fica mais livre, os movimentos ganham mais expressão e essa dança cativa o público principalmente pela possibilidade de ser criativa. Os temas refletem a sociedade e sua cultura facilitando a interação entre bailarinos e o público.

Agora vale conhecer alguns estilos de dança:

Samba: é um gênero musical que nasceu no Rio de Janeiro, mas tem suas raizes na dança de origem afro-brasileira. É tocado com percussão, tendo como base violões ou cavaquinhos. A dança é elaborada e com evoluções que destacam sua forte energia.

Frevo: estilo pernambucano de carnaval é um tipo de marchinha bastante acelerada, que, ao contrário de outras músicas carnavalescas, não possui letra, sendo simplesmente tocada por uma banda que segue os blocos carnavalescos enquanto a multidão se diverte dançando com ritmos ensaiados.

Forró: uma de suas principais características é o ato de arrastar os pés durante a dança. Esta é realizada por casais, que dançam com os corpos bem colados, transmitindo sensualidade.

Salsa: dança com ritmo rápido e envolvente. A influência africana e americana fizeram com que a Salsa tivesse acordes  mais progressivos  e deram ênfase e sabor ao ritmo.

Bolero: nasceu na Inglaterra, originalmente pela variação baseada nos bailados de ciganas, cujos vestidos eram ornados com pequenas bolas (as boleras).

Tango: de origem argentina, é uma dança romântica, dramática, exótica, sofisticado, que encantou várias gerações.

Flamenco: dança de origem espanhola, não tem a influência de nenhum coreógrafo, é apenas para o próprio prazer dos seus executantes. Tem influência nas danças deixadas pelos mouros e ciganos.

Sapateado: é um tipo de dança caracterizada pela batida rápida no chão com as pontas dos pés e calcanhares. Geralmente é dançado com sapatos especiais, com pedaços de metal nas extremidades da sola para sonorizar as batidas.

Curiosidade

 

Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o Dia Internacional da Dança , instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean-Georges Noverre.

Compartilhar: