Quilombos Brasileiros

Quilombos BrasileirosA colonização do Brasil por Portugal trouxe a triste realidade da escravidão de negros vindos da África.

Focados na exploração da terra e nos lucros que a cana-de-açúcar trazia, a mão de obra para este trabalho duro era insuficiente e os índios, primeiros habitantes do Brasil, não resistiam a este tipo de trabalho, assim, os colonizadores traziam negros africanos para este trabalho.

Além de serem retirados abruptamente de suas origens e cultura, os negros enfrentaram condições de vida degradante e um trabalho árduo.

Mas, existiram grupos que não se submetiam a essas condições e criaram locais de resistência a essas condições, obviamente tiveram que fugir e lutar para sair dessa condição, mas por um bom tempo tiveram sucesso.

Neste contexto formaram-se os quilombos , povoações fortificadas de negros fugidos do cativeiro. Nos quilombos também se refugiavam índios e algumas vezes até brancos socialmente excluídos do sistema vigente.

Eram organizados em locais de difícil acesso para impedir a recaptura dos escravos fugidos. Seus habitantes eram chamados de quilombolas e tinham uma organização de trabalho que envolvia a obtenção de alimentos e, além disso, construíam pequenas oficinas onde fabricavam suas roupas, utensílios domésticos, ferramentas de trabalho e até móveis.

 Entre todos os quilombos, o que ofereceu mais resistência e preocupou por décadas as autoridades foi o Quilombo dos Palmares , criado no início do Sec. XVII e localizado na Serra da Barriga Verde, no estado de Alagoas, abrigava vários quilombos menores.

Várias investidas militares tentaram acabar com este quilombo todas sem sucesso, até que em 1678, o capitão Fernão Carrilho, após aprisionar vários de seus principais líderes chegou mais próximo a acabar com ele, mas neste contexto surge a figura do líder Zumbi, figura corajosa que rearticulou novas forças que ainda resistiram, mantendo o quilombo até os últimos anos do Sec. XVII.

Zumbi morreu em emboscada, mas tornou-se símbolo da resistência dos negros e é lembrado até hoje.

Memória preservada

Sem dúvida nenhuma, os quilombos foram importantes por preservar os negros e sua cultura. Costumes, danças, pratos e expressões comuns até hoje no Brasil tem origem na cultura africana.

É importante lembrar que o samba e a capoeira são traços de nossa cultura que se entrelaçam com a cultura africana, além das comidas típicas como o acarajé , a feijoada e, como expressão da religião dos negros da época o candomblé.

Quilombos na atualidade

Apesar de não precisarem mais viver escondidos e refugiados, há remanescentes de comunidades dos quilombos que hoje tem o direito se organizar em seus grupos, preservar e manifestar sua cultura. Assim, existem quilombos remanescentes em vários estados brasileiros.

O objetivo dessas comunidades não é, de forma nenhuma, se isolar dos demais segmentos da sociedade, mas sim manter a identidade dos descendentes com sua cultura e tradição.

Você pode conhecer mais sobre essas comunidades no site Comunidades Quilombolas no Brasil.

Com o mesmo objetivo de preservação da memória e identidade desse povo, foi criado o Parque Memorial Quilombo dos Palmares, na mesma localidade do quilombo original.

Este memorial é uma espécie de maquete viva, aproveitando que o local foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN em 1985.

Curiosidade

 

Dia 20 de novembro foi instituído Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. A data foi escolhida por marcar o dia do falecimento do líder negro Zumbi dos Palmares, em 1695.

Compartilhar: